24ª “Encontro de Políticos Cristãos” em Minas Gerais, uma experiência que deu certo

Em nossos tempos de crise da chamada “democracia liberal”, quando nos questionamos sobre a melhor maneira da cristã e do cristão atuarem politicamente em prol do bem comum, uma experiência que vem dando certo é a do “Encontro de Políticos Cristãos” em Minas Gerais. Criado e realizado em 23 edições pelo mandado de Durval Ângelo, um dos funadores do CEFEP e hoje pertencente à rede de Assessores do CEFEP, teve sua 24ª edição, nos dias 29 de novembro a 1º de dezembro, assumida pelo hoje deputado estadual Marquinho Lemos.

Em texto sobre essa última edição do Encontro, a jornalista Gabriela Fagundes e Edmar Rosa Sobrinho – Professor da Rede de Assessores CEFEP dizem que o evento vem alicerçado em : “três convicções: a primeira é de que a fé nos move à defesa incondicional da vida, a segunda é a opção preferencial pelos pobres e a terceira é a certeza de que a política só tem sentido se for para melhorar a vida das pessoas.

Confira o texto completo abaixo:

Esperança e luta por um novo tempo

            A chegada do fim do ano vem acompanhada da expectativa de um novo tempo, de esperança e alegria. É o tempo do Advento, período que antecede o Natal, e que escolhemos para receber o Encontro de Políticos Cristãos, que acontece em Minas Gerais há 24 anos.

Ele é uma iniciativa de cristãos leigos e leigas, engajados no trabalho pastoral e nas lutas sociais. Inicialmente foi coordenado pelo Mandato Coletivo do ex-deputado Estadual Durval Ângelo-PT/MG, o evento tem como objetivo principal reunir sob a perceptiva ecumênica, e nos últimos quatro anos inter-religioso, um coletivo de pessoas que inspirados pela fé se dedicam à política.

São dirigentes sindicais e de partidos políticos, agentes públicos, principalmente prefeitos e vereadores, membros de pastorais e integrantes de movimentos sociais que se encontram para celebrarem a sua caminhada, pensar a conjuntura, articular ações coletivas e se formarem.

É um grupo que se reafirma e se renova ao longo de mais de duas décadas. Reafirma-se alicerçado em três convicções: a primeira é de que a fé nos move à defesa incondicional da vida, a segunda é a opção preferencial pelos pobres e a terceira é a certeza de que a política só tem sentido se for para melhorar a vida das pessoas. Essas três máximas poderiam ser resumidas na afirmação de Jesus plasmada no Evangelho de João 10,10. E se renova, na medida em que busca melhor qualificação para suas intervenções e principalmente na acolhida nos últimos anos de um número cada vez maior de jovens no seu meio.

Este ano, o encontro foi realizado no município de Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Mais de 200 pessoas de diferentes regiões de Minas Gerais e de quatro estados brasileiros se reuniram durante três dias de encontro para celebrarem a fé e refletirem sobre como fazê-la viva e transformadora na nossa ação política. É a Boa Nova de Jesus quem convida a todos e todas para reanimarmos as forças e continuar a missão transformadora no mundo, sendo sal da terra e luz do mundo. Sal que dá maior sabor à vida e luz que supere as trevas da injustiça e as cegueiras ideológicas deste tempo.

Também foi momento de refletir sobre os caminhos para o enfrentamento do atual momento, marcado por retrocessos, retiradas de direitos, preconceitos e ódio. Entre os convidados o grande teólogo e escritor Leonardo Boff, que nos fez pensar sobre o cuidado com a mãe terra e a conexão entre todos. “Não existe a terra e a humanidade, está tudo conectado”, alertou.

O encontro, que nesta edição foi organizado pelo mandato do Deputado Estadual Marquinho Lemos-PT/MG, também contou com a assessoria do coordenador da Centro Nacional de fé e Política Dom Helder Câmara – CEFEP Padre Paulo Adolfo, do professor da PUC-Rio Paulo Fernando, o professor da PUC Minas Robson Sávio, o professor da Universidade Federal do Espírito Santo Maurício Abdalla, entre outros convidados. A atividade também teve a presença do poeta Gonzaga Medeiros e dos violeiros Pereira da Viola, Chico Lobo e Wilson Dias, que nos lembraram da importância da cultura popular como trincheira de resistência, de luta e ferramenta para reacender a chama da esperança.

Esperança essa que nos impulsiona, insiste e nos motiva a construir um novo tempo, com justiça social e igualdade para todos. Pois como nos ensina o escritor uruguaio Eduardo Galeano: “muitas pessoas pequenas, em lugares pequenos, fazendo coisas pequenas, podem mudar o mundo”. Que possamos, então, seguir juntos, fazendo coisas pequenas e lutando por um mundo melhor.

Gabriela Fagundes – Jornalista

Edmar Rosa Sobrinho – Professor da Rede de Assessores CEFEP

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *