As atitudes éticas para realizar o compromisso social cristão

As atitudes éticas para realizar o compromisso social cristão

O conceito de justiça constitui um dos núcleos primordiais em que se expressa e se configura a consciência ética ocidental. O significado da justiça tem de ser captado situando-a na matriz ideológica em que nasceu. Esta não foi outra senão a interação dos três fatores básicos da cultura ocidental: a religião judaico-cristã, a filosofia grega e o direito romano.

A religião judaico-cristã introduz na noção de justiça os traços de: messianismo, escatologia, utopia. Para o judeu-cristianismo, a justiça é promessa divina (“dom do alto”) e decisão humana (“trabalho do homem”), é realização presente e horizonte de esperança escatológica, é ideal absoluto e concretização parcial da bondade. Em razão destas características, a justiça ocidental tem traços crítico-utópicos: serve para submeter a uma crise total o mundo humano e constitui o programa da revolução permanente e inacabada.

A filosofia grega introduz o logos esclarecedor. Com a reflexão grega, a justiça adquire os traços de iluminação que possui: a precisão da noção, a harmonia da divisão e a clareza da sistematização. Por sua vez, o direito romano proporciona à justiça o cunho concreto de  “positivização” jurídica que requer: verificação de conteúdo, exigibilidade na vinculação, sociabilidade na exteriorização.

Situada dentro das três coordenadas ideológicas mencionadas, a justiça ocidental teve trajetória histórica gloriosa, desde os pré-socráticos, Platão, Aristóteles, a filosofia medieval, o renascimento tomista até o florescimento de estudos recentes (Del Vecchio, Kelsen, Perelman, Brunner, Castán, Rawls), passando pelo jusnaturalismo (Grócio, Hobbes) e o contratualismo (Rousseau).

Clique para obter o arquivo As atitudes eticas para realizar o compromisso social cristao

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *