CATÓLICOS E CATÓLICAS NA RETA FINAL PARA O SEGUNDO TURNO

Entramos na última semana que antecede o dia da votação no segundo turno das Eleições de 2018. Nós amazonenses vamos votar para escolher o Presidente da República do Brasil e o Governador do Estado do Amazonas.

Antes do primeiro turno, escrevi alguns artigos sobre nosso compromisso como Católicos e Católicas diante deste direito/dever de votar. Lembro aqui o artigo que escrevi para a PASCOM da Arquidiocese de Manaus e o artigo “Profeta Ezequiel e as lições para as Eleições”, que publiquei no site da CNBB, no espaço dedicado aos “Artigos dos Bispos”. Convido vocês a relerem estes artigos na íntegra.

No entanto, quero falar mais uma vez neste artigo para vocês meus irmãos católicos e minhas irmãs católicas sobre este momento que estamos vivendo, inspirados na orientação do Papa Francisco que “A política… é uma sublime vocação, é uma das formas mais preciosas da caridade, porque busca o bem comum” (A alegria do Evangelho, nº 205).

Princípios que deve nos orientar nesta nossa atividade política:

  1. Participar e exercer nosso direito/dever de VOTAR

Nós não devemos nos abster (deixar de comparecer), nem anular ou votar branco. Pensando no bem comum, objetivo maior de toda atividade política, escolher um entre os dois Projetos para o Brasil e para o Amazonas e votar.

Analisando o resultado das eleições no primeiro turno no Brasil, no Amazonas e nos municípios do nosso Estado, vimos que mais de 30% não votaram, votaram branco ou anularam o voto.

O católico e a católica deve comparecer na seção eleitoral onde está escrito e votar.

  1. Devemos recusar quem nos incentiva a votar por revolta ou por ódio aos partidos e aos políticos

Nossa Igreja nos ensina sem cessar que devemos usar de nossa inteligência na hora de votar. Isto significa que nosso voto deve ser dado com consciência e responsabilidade. Devemos Votar no candidato à Presidência e ao Governo do Estado que apresentou o melhor Projeto de governo, que é aquele que promove o bem comum.

Segundo o Catecismo da nossa Igreja, este bem comum comporta três elementos essenciais: respeito pela pessoa humana, bem-estar social e a paz (cf. nºs. 1906 a 1909).

Votar simplesmente para protestar ou por revolta pode me levar à falta de responsabilidade. Não podemos esquecer que o voto tem consequências.

  1. Votar levando em conta os ensinamentos da Palavra de Deus, especialmente os ensinamentos de Jesus

Apresento agora alguns dos critérios, que brotam da Palavra de Deus e podem nos ajudar na escolha do Projeto de Governo para o Brasil e para a Amazônia:

  1. a) Um Projeto fundamentado no amor

“Eu dou a vocês um mandamento novo: amem-se uns aos outros, assim como eu amei vocês” (Jo 13, 34).

“O amor é o pleno cumprimento da lei” (Rm 13, 10).

Quem propõe ações contrárias ao amor, foge da proposta de Jesus e não merece o nosso voto.

  1. b) Um Projeto fundamentado no perdão e na misericórdia

“Vocês ouviram o que foi dito: ‘olho por olho e dente por dente’. Eu, porém, lhes digo: não se vinguem de quem fez o mal a vocês” (Mt 5, 38-39).

“Não paguem a ninguém o mal com o mal… Não façam justiça por própria conta… Não se deixe vencer pelo mal, mas vença o mal com o bem” (Rm 12, 17.19.21).

“Todos vocês são irmãos” (Mt 23, 8).

A situação de violência a que somos afetados, refiro-me a todas as formas de violência (física, psicológica, privação de direitos, silenciosa) não pode nos induzir a abraçar a solução fácil da violência para superar a violência. Nossa Igreja diz não à pena de morte oficial (aprovada por lei) ou indireta (feita por cada pessoa que porte uma arma de fogo). Esta falsa solução somente faz aumentar a insegurança e a violência na sociedade, bem como somente os mais pobres, negros e grupos minoritários serão vítimas e muitas vezes, vítimas injustas, fruto do preconceito.

  1. c) Um Projeto fundamentado na promoção da VIDA, maior dom que Deus nos deu

“Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10, 10).

Vida desde a concepção, passando por todas as etapas da criança que nasce, cresce, chega à adolescência e à juventude, chega a idade adulta e depois na velhice, morre naturalmente.

Por isto nossa Igreja diz NÃO a todas as formas de atentado à vida humana: não ao aborto, não à mortalidade infantil, não à redução da maioridade penal, não às injustiças sociais que nega direitos e que produz morte em todas as idades, não a eutanásia (a antecipação da morte de idosos e enfermos com doenças incuráveis).

Temos que votar no Projeto para o Brasil e para o Amazonas que garanta sempre a vitória da vida e os direitos inalienáveis de toda pessoa humana: direito de nascer, de ter uma família, de ter moradia, alimentação, condições de conservar e recuperar a saúde, acesso à educação de qualidade (da alfabetização até o ensino superior), trabalho com justa remuneração, liberdade religiosa, de expressão e de ir e vir; ter direito de escolher nossos representantes pelo voto direto e livre e de participar da vida política do país, do estado e do município; direito de organizar-se em associações, sindicatos e ONGs para trabalharem pelo bem comum.

 

 

  1. d) Um Projeto fundamentado no serviço aos mais pobres

“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Notícia aos Pobres… (Lc 4, 18).

“Todas as vezes que vocês fizeram isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizeram” (Mt 25, 40).

“Fizeram isso”: com fome, demos de comer; com sede, demos de beber; estrangeiro, recebemos em casa; sem roupa, vestimos; doente e preso e fomos visitar. Disse Jesus: “foi a mim que o fizeram”, numa clara opção de Jesus pelos pobres.

Tiago, Pedro e João pediram a Paulo que se lembrasse dos pobres. Paulo declara: “Isso eu tenho procurado fazer com muito cuidado” (Gl 2, 10).

Nosso voto tem que ser no Projeto para o Brasil e o Amazonas que indique claramente que dará uma atenção particular, preferencial aos pobres, excluídos e marginalizados da sociedade, que garanta a superação das desigualdades sociais entre pessoas, raças e regiões.

Neste sentido, na hora de escolher o Projeto para o Brasil e o Amazonas, merece levar em consideração, para nós que vivemos no Norte do Brasil, quem se compromete com a preservação de nossa Floresta, Rios e Lagos, bem como o respeito aos territórios e culturas dos povos indígenas, quilombolas e ribeirinhos.

Rezemos no decorrer desta semana que antecede a eleição, todos os dias, sozinho, com a família, na sua Comunidade, Pastoral ou Grupo, a oração atribuída a Salomão, que está no capítulo 9 do Livro da Sabedoria, especialmente o versículo 10: “Manda a Sabedoria desde o céu santo e a envia desde o teu trono glorioso, para que ela me acompanhe e participe de meus trabalhos, me ensine o que é agradável a ti”.

Claro, rezar e deixar-nos guiar pela sabedoria divina na escolha do voto que vamos dar no dia 28.

Em Cristo e Maria, Mãe do Rosário e da Amazônia!

Dom José Ionilton Lisboa de Oliveira, SDV

Prelazia de Itacoatiara – AM

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *