Você está aqui: Página Inicial Conheça o CEFEP Francisco denuncia a “negação, indiferença e resignação” dos governos diante da destruição do meio ambiente

Francisco denuncia a “negação, indiferença e resignação” dos governos diante da destruição do meio ambiente

por Pietra Soares última modificação 17/11/2017 13:56

"Convite urgente" do Papa Francisco "para um novo diálogo sobre o modo como estamos construindo o futuro do planeta". O Pontífice enviou uma mensagem à Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP23) que acontece em Bonn. Nela, ele recorda que "precisamos de um debate que nos una a todos, porque o desafio ambiental que vivemos, e as suas raízes humanas, dizem respeito e têm impactos sobre todos nós".

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Religión Digital, 16-11-2017. A tradução é de André Langer.

"Infelizmente, muitos esforços na busca de soluções concretas para a crise ambiental acabam, com frequência, frustrados por várias razões, que vão da negação do problema à indiferença, à resignação acomodada ou à confiança cega nas soluções técnicas (cf. Laudato Si’ n. 14)", denuncia o Bispo de Roma. E, como ele também observa, a "negação, a indiferença, a resignação e a confiança" são "soluções inadequadas" para o problema da destruição do meio ambiente, dado que "não ajudam na investigação honesta e no diálogo sincero e produtivo sobre a construção do futuro do nosso planeta".

"Não se pode limitar" o desafio ambiental "apenas à dimensão econômica e tecnológica: as soluções técnicas são necessárias, mas não suficientes", continua o Pontífice, que insiste que "é essencial e necessário levar atentamente em consideração também os aspectos e os impactos éticos e sociais do novo paradigma de desenvolvimento e de progresso a curto, médio e longo prazo".

Francisco termina sua mensagem pedindo "que se acelere a tomada de consciência e que se consolide a vontade de adotar decisões realmente eficazes para enfrentar o fenômeno das mudanças climáticas", não deixando de insistir, por outro lado, na importância que tem no contexto do cuidado responsável da ‘Casa Comum’ que todos compartilhamos a luta contra a pobreza e a promoção de um desenvolvimento humano integral.

O Patriarca de Constantinopla, Bartolomeu, por sua vez, escreveu outra mensagem à cúpula, em que alerta políticos e diplomatas que "não é aceitável retroceder, e tampouco é justificável esperar mais" em relação à crise ambiental. É imperativo, diz ele, que "ampliem e intensifiquem seus esforços para salvar o planeta".

O hierarca lembra que "embora tantas pessoas considerem a mudança climática como uma das maiores crises que a humanidade enfrentou, há uma grande resistência para mudar" os nossos hábitos destrutivos do meio ambiente.

"Alguns continuam a ignorar os sinais dos tempos com derretimento de gelo sem precedentes, padrões climáticos extremos e um impacto devastador sobre a pobreza global", denunciou o patriarca.

Apesar das dificuldades, Bartolomeu conclui ressaltando que "todos somos chamados a avançar em nosso compromisso tanto com a sacralidade de nossos irmãos e irmãs pobres, quanto com a singularidade do último grão de areia deste planeta que chamamos de nossa Casa".

Finalmente, o cardeal Reinhard Marx enfatizou o apelo do Papa e de Bartolomeu, afirmando que "é hora de avançar na redução das emissões prejudiciais ao clima". "Os países desenvolvidos devem financiar medidas que reduzam os danos e perdas causados pelas mudanças climáticas nos países pobres", disse ele.

"Todos os políticos também devem assumir responsabilidades pela ‘Casa Comum’, como urge fazer o Papa Francisco", disse o arcebispo de Munique, e "os interesses pessoais devem ser deixados de lado". "Não é nada menos que o mundo que está em jogo, aqui, ameaçado pelas emissões ilimitadas de CO2", ressaltou, antes de insistir que "não devemos mais tentar ganhar tempo, mas agir de forma corajosa".

Fonte IHU

Ações do documento