Você está aqui: Página Inicial Divulgação GRUPO DE TRABALHO ENTREGA TEXTO DO FICHA LIMPA AO PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

GRUPO DE TRABALHO ENTREGA TEXTO DO FICHA LIMPA AO PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

por Pietra Soares última modificação 17/03/2010 12:47

 

campanha-ficha-limpaO Grupo de Trabalho, da Câmara dos Deputados, criado para fazer um texto consensual sobre o projeto da Ficha Limpa, entregar o substitutivo hoje ao presidente da casa, Michel Temer. O ato será no salão verde do Congresso Nacional. O grupo, coordenado pelo deputado Miguel Martini e com relatoria do deputado Índio da Costa, realizou audiências públicas para ouvir a sociedade civil e o propositor do PLP, o Movimento de Combate Corrupção Eleitoral (MCCE), e se reuniu semanalmente desde o fim de fevereiro para elaborar o texto.

Ontem, 16, na última audiência pública antes da entrega do trabalho a Michel Temer, Miguel Martini agradeceu pelas contribuições dadas ao projeto e pelo diálogo firmado com a sociedade civil desde o começo dos trabalhos. Na avaliação do integrante do MCCE, Francisco Whitaker, a nova etapa terá como slogan Pauta Já, para que o projeto seja levado ao plenário e votado ainda no mês de abril. O relator do substitutivo, Índio da Costa, endossa a opinião de Whitaker.

O projeto de lei que trata sobre casos de inelegibilidades teve como principal norteador o PLP 518/09, conhecido como Ficha Limpa. Lançada em maio de 2008, a Campanha Ficha Limpa arrecadou mais de 1,6 milhão de assinaturas para o projeto de lei sobre a vida pregressa dos candidatos. Na prática, o PL pretende criar critérios mais rígidos para quem quer se candidatar, exigindo que os interessados a cargos políticos no tenham sido condenados por crimes graves, tais como estupro, desvio de verbas públicas e racismo.

Na avaliação do MCCE, o texto a ser apresentado hoje aperfeiçoa alguns aspectos do texto original, melhorando a proposta. O exame sobre a condenação por um colegiado, que era um dos pontos de maior debate, não decepcionou ninguém, afirmou o presidente da Associação de Magistrados Brasileiros (AMB), Mozart Valadares. Para ele, esse ponto deixa claro como o projeto foi discutido com a seriedade.

Fonte: Assessoria de Imprensa do MCCE

Ações do documento