Você está aqui: Página Inicial Divulgação BELO MONTE: “NÃO É POSSÍVEL APOIAR PROCESSOS QUE AMEAÇAM A VIDA DE COMUNIDADES TRADICIONAIS E DESTROEM O MEIO AMBIENTE”, AFIRMA A CNBB

BELO MONTE: “NÃO É POSSÍVEL APOIAR PROCESSOS QUE AMEAÇAM A VIDA DE COMUNIDADES TRADICIONAIS E DESTROEM O MEIO AMBIENTE”, AFIRMA A CNBB

por Pietra Soares última modificação 25/02/2010 13:16

 

Aprovação Nota Belo MonteOs bispos do Conselho Episcopal Pastoral da CNBB (Consep) emitiram uma nota na manhã desta quinta-feira, 25, em que manifestam apoio à posição dos bispos do Pará e do Amapá em relação à construção da usina hidrelétrica Belo Monte, no rio Xingu. “Manifestamos nossa grande preocupação ao saber que a licença prévia já foi concedida pelo IBAMA, permitindo o leilão para a construção e exploração da referida Usina”, dizem os bispos.

O Consep reafirma a posição da Igreja favorável a um desenvolvimento que respeita a vida e a participação das famílias atingidas na discussão de projetos com o da usina Belo Monte. “Lamentamos que órgãos governamentais, entidades e pessoas que se dizem de acordo com esses parâmetros, os neguem na prática, como ocorre nessa etapa que prepara a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte”, afirma a nota, que é assinada pela Presidência da CNBB.

De acordo com os bispos, “não é possível apoiar processos que ameaçam a vida de comunidades tradicionais e de outros habitantes da região e agridem, desrespeitam e destroem o meio ambiente”. Por isso, eles pedem a paralisação do projeto até que seja amplamente discutido com as comunidades tradicionais que sofrerão os impactos da obra.

“Esperamos que as autoridades brasileiras tomem as devidas providências a fim de que não tenha início a execução do projeto antes de proporcionar reais oportunidades para que as populações implicadas possam debatê-lo, apresentar suas propostas e tenham suas considerações respeitadas”.

A nota se encerra com uma manifestação de solidariedade ao bispo do Xingu, dom Erwin Kräutler e “ao povo que está lutando pelo respeito à sua vida e aos seus direitos”.

Veja aqui a nota da CNBB.

 

Fonte: CNBB

 

Ações do documento